Arquivo da categoria: Eventos

Giorgio Moroder se apresenta no Brasil

“My name is Giovanni Giorgio but everybody calls me Giorgio”

A lenda viva da música eletrônica, Giorgio Moroder, fará um show no Brasil dia 03 de junho no Espaço das Américas, em São Paulo. Imperdível!!!

Corra para comprar os seus ingressos em: https://www.ingressorapido.com.br/compra/?id=57629#!/tickets

Como incentivo, deixo o tributo que os robôs fizeram para o mestre. Não tem como não pirar com “Giorgio by Moroder”.

Daft Punk se apresentará no Grammy Awards 2014

daft-punk-stevie-wonder

Está confirmado: além de estarem concorrendo à 5 categorias no Grammy Awards 2014, o Daft Punk irá se apresentar ao vivo durante a premiação! A última vez que eles tiveram uma apresentação televisionada foi durante o Grammy 2008 com Kanye West.

E as boas notícias não param por aí: além de se apresentarem com o Pharrell, o Nile Rodgers e os demais músicos que tocaram em R.A.M., eles também irão se apresentar com nada mais nada menos que Stevie Wonder! Com certeza essa edição do Grammy entrará pra história.

Então marque na agenda (vale até alerta no celular): o Grammy Awards 2014 acontecerá no dia 26 de janeiro. No Brasil, será exibido pelo canal TNT às 23hs. Ainda não sei se será exibido em algum canal da TV aberta.

Enquanto isso, que tal curtir (de novo) Daft Punk e Kanye West tocando Stronger no Grammy Awards 2008?

Lançamento – Random Access Memories

A espera está acabando!!!

Falta apenas um dia para RAM estar disponível nas principais lojas. Quem comprou pela internet já está recebendo e-mail de confirmação de postagem. Em alguns lugares do mundo as pessoas já estão com o cd nas mãos.

Pra quem ficou esperando o dia 21 chegar para correr às lojas, a Sony Music, junto com a Livraria Cultura e a loja Geek.Etc.Br farão um evento de lançamento de RAM no dia 21 em São Paulo e no dia 22 no Rio de Janeiro.

We’re gonna celebrate! Roulé Especial Daft Punk

DAFTERS DE TODO O BRASIL, PREPAREM-SE!!!
2013 é um ano muito especial para nós, fãs do Daft Punk, e motivos para tal não faltam.
Depois de oito anos, estamos prestes a poder escutar e ter nas mãos um som novinho em folha dos Dafts. Não será fake, não será remix e nem mashups, apenas o som puro, divido e inovador que só os nossos robôs sabem fazer.

Continue lendo We’re gonna celebrate! Roulé Especial Daft Punk

Coachella 2012

O festival Coachella 2012 irá durar duas semanas! Ou melhor, três dias em cada semana. Mesmo assim, os olhos enchem de lágrimas só de pensar, já que esse festival tem a tradição de reunir ótimos nomes.

E virou tradição também vazar line ups que de tão bons dão na cara que são fakes. Este ano não poderia ser diferente e Daft Punk consta na lista abrindo para o Foo Fighters. Tudo a ver, né?

Bom, no site oficial não tem nenhum nome confirmado. Mas até abril muita coisa pode acontecer, como os dafts tirarem o pó das jaquetas de couro, lustrar os capacetes e voltarem a se apresentar para o mundo.

Dia Mundial do Rock

DIA MUNDIAL DO ROCK deveria ser levado mais a sério. Uma data tão importante como essa deveria ser considerada feriado, deveria haver trocas de presentes (quero ganhar uma guitarra ou o “Black Album” do Metallica), festas regadas a muito álcool e rock’n’roll… Enfim, deveria ser uma data tão importante ou mais do que o Dia dos Namorados (porque o rock nunca te abandonará…).

Apesar do nome, O Daft Punk NÃO É UMA BANDA DE ROCK, MUITO MENOS UMA BANDA PUNK, apesar do estilo motociclista cheio de couro. Há quem diga que o estilo do Daft Punk é house, ou electro, french music, etc, mas pra generalizar e não começar uma discussão, digamos que eles tocam música eletrônica e pronto.

Ainda assim, o rock tem certa influência no trabalho deles, tanto que o Guy-man é baterista, o Thomas é guitarrista e ambos iniciaram a carreira com uma banda de punk rock, o Darlin’ que originou a criação do Daft Punk.

Para homenagear o Dia do Rock, segue alguns trabalhos relacionados aos dafts e ao rock.

Robot Rock: música e vídeo mais rock’n’roll dos dafts. Apesar do nome, a música foi sampleada de uma disco music.

Rock’n roll: faixa do primeiro álbum do duo.

Darlin’: o punk idiota, o início de tudo.

Daft Punk Lovers na Festa Bang

Alan Braxe no Vegas Club

Como já tinha comentado em outro post, na última sexta (25/02) o DJ Alan Braxe (que fez parceira com o Thomas Bangalter no Stardust) iria se apresentar no Vegas Club para comemorar o aniversário de 3 anos da Festa Bang. De quebra, rolou um encontro promovido pelos membros da comunidade do Daft Punk no orkut.

Lola, Vinny, , Nereu, Zorak, Duck, Agnelli, Mohamed e Ale. 

Mohamed e Alê com Alan Braxe 

Quem não pode ir (o/) perdeu uma festança. Pra quem foi, valeu por ter feito mais um orkontro dar certo. É uma ótima possibilidade de fazer novos amigos com gostos parecidos. O cara parece ser super gente fina, até conversou um pouco com o pessoal.

Segue alguns vídeos feitos pela Lola. O Alan Braxe não esqueceu de incluir Stardust e Daft Punk em seu set.

1/3 Stardust: Alan Braxe

A Festa Bang!, evento promovido no Vegas Club em SP está comemorando 3 anos e para isso convidou um nome de peso: Alan Braxe, que formou o trio Stardust, um dos projetos paralelos do Thomas Bangalter, juntamente com  Benjamin Diamond. A festa acontece no dia 25/02 no Vegas Club (Rua Augusta, 765). Vai rolar um orkontro novamente, então quem estiver afim de ir é só colar por lá.

Segue então uma breve biografia do Alan Braxe. No site da Festa Bang! tem mais informações sobre o evento, sobre o DJ e alguns vídeos do cara,

Alan Braxe, de nome verdadeiro Alain Quême, nasceu em França, numa cidade a cerca de 100 kms de Toulouse chamada Brax do qual viria a sair o seu nome artístico. Da sua família faziam parte outros dois DJs de renome, os seus primos Delphine e Stephane Quême, mais conhecidos como Quartet e DJ Falcon com quem viria posteriormente a trabalhar.
Em 1997, lança o seu primeiro single “Vertigo” para a Roulé  de Thomas Bangalter, um dos membros dos Daft Punk que tinham lançado até então dois grandes singles “Da Funk” e “Around The World”, tendo já alcançado um sucesso considerável tanto nas pistas de dança como nas tops internacionais.
No ano seguinte, ainda em colaboração com Thomas Bangalter e com Benjamin Diamond, Alan lança  Music Sounds Better With You no projeto Stardust cujo sucesso lhes valeu o 1º lugar nos tops de música de dança nos Estados Unidos.

O sucesso desta faixa incentivou Braxe a criar a sua própria gravadora  independente: a Vulture Music, no ano 2000, com o intuito de produzir o seu próprio trabalho e aumentar o número de colaboradores com quem participaria, assim como de lançar novos artistas. Esta gravadora foi um marco do “French Touch”, nome utilizado para descrever o House francês ou Euro-Disco que era feito na época, entre 1990 e 2000, onde entre alguns nomes de referência podíamos encontrar: Cassius, Etiénne de Crecy e  Daft Punk, tendo estes últimos sido os mais marcantes neste estilo de música de dança. Juntaram-se-lhes mais tarde os nomes provenientes da Vulture: Kris Menace, Lifelike, Fred Falke e o próprio Alan Braxe.

A primeira música a saír pela Vulture foi Intro que provou ser um hit e pouco a pouco se tornou um clássico das pistas de dança.Saíram, sob o nome da Vulture, músicas como a sensual “Discopolis”, nascida da colaboração Kris Menace com Lifelike, a incrível “Lumberjack”, co-produção Braxe-Menace e “I Feel Music In Your Heart” de Kris Menace com Stars on 33 que viria mais tarde a ser remisturada por ele e pelo colega de gravadora, Laurent Ash .

Esta gravadora conhecida pela sua identidade artística retro-futurista, continua até aos dias de hoje a ser considerada um pilar na cena electrónica francesa, distinguida pela qualidade das suas produções. Serviu como rampa de lançamento a Kris Menace que mais tarde fundou as suas próprias gravadoras o que lhe permitiu por sua vez apostar em novos nomes como forma de retribuir aos deuses da música.
Assim, de Kris Menace surgiu a “Compuphonic” de componente mais electro-techno, por onde editou trabalhos seus e colaborações com Felix Da Housecat, Fred Falke e DJ Spooky. Foi talvez através desta gravadora que Christophe Hoeffel (de nome verdadeiro) lançou aquelas que serão as suas músicas mais emblemáticas como a muito dançável “Artificial”, a belíssima “Fairlight” e a potente “Steamroller” .
Fundou também a “Work It Baby”, apostando novamente em trabalhos de colaboração e  em novos projectos como Moonbootica, Jaunt e Charlie Fanclub  e editando trabalhos de colegas da Vulture: “Running Out” de Lifelike, “Music From My Friends” de Fred Falke assim como as suas próprias co-produções com Adam, Quartet, Serge Santiágo e Tom Neville.
Enquanto isso a Vulture continuava a editar permitindo a Alan Braxe a experimentação de novos caminhos como fez com “In Love With You” (2003) e “Rubicon” (2004), co-produzida por Fred Falke. Aliás este último artista, cujo início de carreira como baixista o levou a enveredar por uma carreira de produtor, acompanhou a carreira de Braxe, desde quase o início com remisturas de estilos tão variados como o hip-hop de “Bossy” (Kelis), o funk de “Alright” (Jamiroquai), a eletrônica dos australianos Van She com “Kelly”, o rock de “Black History Month” dos Death From Above 1979, do super-êxito “D.A.N.C.E.” dos Justice trabalhando também em originais como as já referidas “Intro” e “Rubicon”. Esta colaboração durou até ao ano de 2008 altura em que as suas carreiras tomaram caminhos separados tendo Fred Falke começado um novo trabalho de co-produção com o alemão Kris Menace.
Foi com a ajuda deste produtor alemão que, em 2006, Alan Braxe se aventura do djing e passa 2 anos a fazer DJ sets em clubs nos Estados Unidos, Europa e Austrália, fazendo-o redescobrir o ambiente da cena noturna que o fez apaixonar pela  música eletrônica. Em 2007 junta-se a Menace para produzir uma das suas músicas mais conhecidas: “Lumberjack” e faz uma remistura para o hit de Kylie Minogue “2Hearts”.

Em 2008, lança “Addicted” de grandes influências Dubstep, fugindo das suas raízes house e juntamente com Fallon cria talvez o maior desvio em termos musicais da sua carreira na direcção da música de dança mais comercial, ao fazer uma versão com voz para “Addicted” de nome “Nightwatcher”.
Ao lado de Thomas Bangalter, Alan Braxe, juntamente com a sua gravadora Vulture e os ícones que daí surgiram, pode ser considerado um dos nomes mais importantes do French Touch e um nome de referência na cena eletrônica, não só francesa, mas mundial.

Fonte: ruadebaixo.com 

Segue também um mixtape produzido por ele neste mês.
BRAXE 60′ MIX FEB 2011 by ALAN BRAXE

Além do Oscar

Apesar da falta de indicação da trilha de Tron Legacy em uma das categoria do Oscar, o trabalho notável do Daft Punk tem sido reconhecido em outras premiações, não de porte igual ao Oscar, mas também muito importantes.
No Denver Film Critics Society 2011, eles levaram o prêmio na categoria Best Original Score. Também está concorrendo a prêmio na categoria Melhor Artista no 26th ANNUAL INTERNATIONAL DANCE MUSIC AWARDS. 
Vamos esperar por mais indicações.

Nada de Daft Punk no Oscar

Muitos de nós esperávamos que Tron Legacy fosse indicado ao Oscar em algumas categorias, como efeitos especiais, trilha sonora ou até de melhor figurino. No fim, foi apenas indicado para o Oscar de MELHOR EDIÇÃO DE SOM.
Peço aos desavisados para não se enganarem, pois isso não é bom e não terá nada a ver com o trabalhão que o Daft Punk teve para produzir toda a trilha de Tron. Na categoria de Melhor Edição de Som, são avaliados se os efeitos sonoros estão adequados às cenas do filme, o jeito que ele foi cortado, como foi feita a dinâmica de entrada e saída dos sons, além das sobreposições (união de vários sons ao mesmo tempo). 
Tá certo que Tron Legacy não foi tão bem avaliado pela crítica, mas a trilha sonora surpreendeu indiscutivelmente. Talvez se a trilha tivesse sido produzida por um compositor que vive exclusivamente disso, Tron seria indicado, mas a trilha ficou sem querer com cara de “novo álbum” do Daft Punk. 
Enfim, no fim da história, quem saiu lucrando de fato com Tron Legacy foram os dafts.